VEM PRO GOOGLE

VOCÊ ENCONTROU O QUE QUERIA? PESQUISE. Nas guias está a matéria que interessa a você.

TENTE OUTRA VEZ. É só digitar a palavra-chave.

TENTE OUTRA VEZ. É só digitar a palavra-chave.
GUIAS (OU ABAS): 'este blog', 'blogs interessantes', 'só direito', 'anotações', 'anotando e pesquisando', 'mais blogs'.

sexta-feira, 12 de julho de 2013

ABSURDO! CANDIDATOS DO EXAME DA OAB DIZEM QUE HOUVE 'PRIVILÉGIO' EM DIREITO CIVIL

Absurdo! Porque duas questões da prova de Direito Civil foram anuladas e, por consequência, os examinandos foram beneficiados com 2,5 pontos, conforme determinado no edital, candidatos que prestaram outras áreas, como Penal e Trabalhista, se sentiram prejudicados: como não conseguiram atingir a nota de corte, pretendem que lhes sejam concedidos, também, 2,5 pontos.

O que não vêem é que os candidatos que fizeram a prova de civil, com toda a certeza, perderam muito tempo na tentativa de responder questões que lhes exigiram mais do que deveriam, tempo este que poderia ter sido melhor gasto na solução de outras questões ou da peça prática. Quem já se deparou com problemas dessa natureza sabe do que falo. Os pontos não vieram... (clique em "mais informações" para ler mais)
"de graça", como afirmam alguns esbravejadores, inconformados.
O edital é explícito quanto à anulação das questões, de maneira que não pode se sentir prejudicado alguém que teve sua chance e não demonstrou potencial suficiente para garantir o mínimo.
Há mais: um candidato à prova de direito penal não pode garantir que passaria na área cível, pois são diferentes tanto as questões como a peça, de maneira que, se não passou em uma prova bem preparada, para a área escolhida, não passaria em uma prova com erros na elaboração, em uma área que o candidato considera mais difícil.
A OAB reconheceu uma falha nas perguntas 3 e 4 de direito civil, eliminou-as e concedeu 2,5 pontos a estes alunos, independente de terem respondido ou não tais questões
Candidatos que fizeram o X Exame da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) disseram que vão entrar com recurso para conseguir o mesmo direito dos alunos que optaram pela área civil e tiveram as questões de números 3 e 4 canceladas.

Os demais candidatos, que optaram por outras áreas, reclamam que a ação fere o princípio de isonomia, ou seja, de igualdade de competição entre todos os alunos, porque os de civil já saem com 2,5 pontos e meio na frente dos demais.

Vinicius Ribeiro de Lima Pires, 25 anos,
morador de Ipirá (BA), prestou o exame na área de penal e diz que faltaram dois pontos para ser aprovado. Ele vai entrar com recurso. “Se fosse de civil, teria conseguido. Fui prejudicado porque o edital diz que caso haja anulação de alguma questão, a atribuição de pontos será distribuída de modo igual a todos os examinandos, não fala que é específico de uma área.” Pires fez o exame pela terceira vez e afirma que foi gerada uma concorrência desleal entre os candidatos.

Leomar Antonio das Neves, 23 anos, de Pato Branco (PR), diz que entrou com uma representação no Ministério Público Federal e está terminando o recurso. Ele optou por direito administrativo e presta o exame pela segunda vez. “A OAB está privilegiando uma área (direito civil) os candidatos ganharam 2,5 pontos de graça, independente de terem acertado ou não as questões.”

Morador de Vila Velha (ES), Felipe Costa Queiroz, de 24 anos, não foi aprovado e também está elaborando seu recurso para tentar reverter a situação. Queiroz afirma que o mesmo critério que o OAB usou para cancelar as questões da prova de direito civil não aplicou em direito administrativo.“As duas questões de civil foram canceladas porque exigiram conhecimento de jurisprudência [decisões dos tribunais superiores sobre situações polêmicas]. Isso ocorreu nas provas de direito administrativo, por isso pedimos a anulação de uma questão e duas situações na peça.”

Vice-presidente do Damasio Educacional e professor de direito do consumidor e ética profissional, Marco Antonio Araujo Junior, diz que seria incoerente cancelar as questões 3 e 4 de todas as provas, além das de direito civil, já que não foram constatadas falhas. “As questões de civil foram canceladas porque foi exigido um conhecimento específico que não poderia ser cobrado. Não é possível que haja anulação em todas as provas, nem razoável dar 2,5 pontos para todas as áreas. Isonomia é tratar de forma igual os iguais.”

Prazo até sábado
O coordenador nacional do Exame de Ordem, Leonardo Avelino, afirma que se a OAB se convencer de que houve alguma injustiça, o gabarito será mudado, mas não em virtude das duas reclamações apontadas.

"Os alunos querem estender a pontuação [os 2,5 de civil] a todo mundo, mas só a prova de civil sofreu anulação, as dos demais esta perfeita. O direito da isonomia é tratar os diferentes de maneira desigual e os iguais de maneira igual. Em direito administrativo, não há fato sobre o pedido de jurisprudência, as perguntas poderiam ser respondidas com o uso de doutrina. Na prova de civil o uso da jurisprudência foi explícito, por isso foi cancelada", diz Avelino.

Avelino diz que esta edição do Exame de Ordem teve aprovação de 25%, mais alta do que a média, que gira em torno de 15%. O resultado preliminar foi divulgado nesta terça-feira (9).

A recomendação é para que os candidatos que se sintam lesados entrem com recurso até as 12h deste sábado (13). O resultado final, após análise de recursos, será divulgado no dia 26 de julho.

Fonte: G1 
Respeite o direito autoral.
Gostou? Siga, compartilhe, visite os blogs. É só clicar na barra ao lado e nos links abaixo:
Pergunte, comente, critique, ok? A casa é sua e seu comentário será sempre bem-vindo.
Um abraço e um lindo dia!
Thanks for the comment. Feel free to comment, ask questions or criticize. A great day and a great week! 
Maria da Glória Perez Delgado Sanches
Postar um comentário

ITANHAÉM, MEU PARAISO

ITANHAÉM, MEU PARAISO
Um lugar pra chamar de meu. Com o coração. Meu de minha alma; meu de adoção, de coração.

Quem sou eu

Minha foto

Da capital, já morei entre verde e bichos, na lida com animais e plantas: anos de injeção, espinho de ouriço, berne, parto de égua e curva de nível, viveiros, mudas, onde encontrei tempo para lecionar inglês, alfabetizar adultos e ler livros, na solidão do mato. 

Paixões se sucederam e convivem até hoje: Contabilidade, Economia, Arquitetura (IMES, MACK), a chácara e, afinal, o Direito (FDSBC, cursos e pós graduações). No Judiciário desde 2005, planto, replanto, reciclo, quebro paredes, reconstruo, estudo, escrevo e poetizo, ao som de passarinhos, que cantam nossa liberdade.

Não sou da cidade, tampouco do campo. Aprendiz, tento captar o que a vida oferece, para que o amanhã seja melhor. Um mundo melhor, sempre.

Agora em uma cidade mágica, em uma casa mágica, na qual as coisas se transformam e ganham vida; mais e mais vida. Minha cidade-praia-paraíso, Itanhaém.

Nesta casa de espaços amplos e um belo quintal, que jamais é a mesma do dia anterior, do minuto anterior (pois a natureza cuida do renovar a cada instante o viço, as cores, flores, aromas e sabores) retomei o gosto pelo verde, por releituras de espaços e coisas. Nela planto o que seja bom de comer ou de ver (ou deixo plantado o que Deus me trouxe), colho, podo, cozinho os frutos da terra, preparo conservas e invento pratos de combinações inusitadas, planejo, crio, invento, pinto e bordo... sonho. As ideias brotam como os rebentos e a vida mostra-se viva, pulsante.

Aqui, em paz, retomo o fazer miniaturas, componho terrários que encantam, mensagens de carinho representadas em pequenas e delicadas obras. 

Muito prazer! Fique à vontade, passeie um pouco: questões de Direito, português, crônicas ("causos"), jardinagem e artesanato. Uma receita, uma experiência nova, um redescobrir. 

Pergunte, comente, critique, ok? A casa é sua e seu comentário será sempre bem-vindo.

Maria da Gloria Perez Delgado Sanches

MARQUINHOS, NOSSAS ROSAS ESTÃO AQUI: FICARAM LINDAS!

MARQUINHOS, NOSSAS ROSAS ESTÃO AQUI: FICARAM LINDAS!